Cientistas apontam semelhanças entre o cérebro e o universo

Cientistas italianos encontraram estranhas similaridades entre o cérebro humano e todo o universo. Venha saber quais são.
Cérebro e universo

Um astrofísico e um neurocirurgião estão em um avião…

Pode soar como o começo de uma piada de mau gosto, mas o que uma dupla de pesquisadores italianos propôs é uma verdadeira captura do cérebro da galáxia: as estruturas do universo observável, dizem eles, são surpreendentemente semelhantes às redes neuronais do cérebro humano.

O astrofísico da Universidade de Bolonha, Franco Vazza, e o neurocirurgião da Universidade de Verona, Alberto Feletti, detalham as surpreendentes semelhanças entre a rede cósmica de galáxias e a complexa teia de neurônios no cérebro humano em um novo artigo publicado na revista Frontiers in Physics.

Apesar de ter uma diferença de escala de aproximadamente 27 ordens de magnitude, o cérebro humano e a composição da teia cósmica mostram níveis semelhantes de complexidade e auto-organização, de acordo com os pesquisadores.

O cérebro contém cerca de 69 bilhões de neurônios, enquanto o universo observável é composto de pelo menos 100 bilhões de galáxias, amarradas frouxamente como uma teia. Tanto as galáxias quanto os neurônios representam apenas 30% das massas totais do universo e do cérebro, respectivamente. E tanto as galáxias quanto os neurônios se organizam como contas em longos fios ou filamentos.

No caso das galáxias, os 70% restantes da massa são energia escura. O equivalente no cérebro humano, a dupla disse: água.

“Calculamos a densidade espectral dos dois sistemas”, disse Vazza em nota sobre a obra. “Esta é uma técnica frequentemente empregada em cosmologia para estudar a distribuição espacial de galáxias.”

“Nossa análise mostrou que a distribuição da flutuação dentro da rede neuronal do cerebelo em uma escala de 1 micrômetro a 0,1 milímetros segue a mesma progressão da distribuição da matéria na teia cósmica”, acrescentou ele, “mas, é claro, em um escala maior que vai de 5 milhões a 500 milhões de anos-luz. ”

O agrupamento e o número de conexões provenientes de cada nó também eram estranhamente semelhantes.

“Mais uma vez, os parâmetros estruturais identificaram níveis de concordância inesperados”, disse Feletti no comunicado. “Provavelmente, a conectividade dentro das duas redes evolui seguindo princípios físicos semelhantes, apesar da diferença notável e óbvia entre os poderes físicos que regulam galáxias e neurônios.”

A equipe espera que seu estudo preliminar possa levar a novas técnicas de análise em cosmologia e neurocirurgia, permitindo que os cientistas entendam melhor como essas estruturas evoluíram ao longo do tempo.

Fonte: Futurism

Total
1
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts
Total
1
Share