Vacinas contra coronavírus estão mais próximas da realidade

Essa semana muitas notícias saíram sobre as vacinas contra o coronavírus, que estão cada vez mais próximas de serem realidade, Saiba mais
Vacina coronavírus

Essa semana tivemos vários anúncios das farmacêuticas responsáveis pela produção de vacinas contra o coronavírus. Muitas delas estão em fase final de testes e algumas provavelmente estarão prontas até o Natal.

Desde o início da pandemia essas são notícias que todas as pessoas queriam ouvir. O COVID-19 é uma vírus de alta transmissão e a melhor forma de se prevenir dele definitivamente é através de uma vacina.

Ainda mais agora com a segunda onda do vírus acontecendo em vários países, sendo que muitos (como Brasil e os EUA) ainda não se recuperaram nem da primeira direito.

Com isso, farmacêuticas do mundo todo estão correndo contra o tempo para apresentar a melhor fórmula para a “cura do coronavírus”. Uma vacina nada mais é do que injetar o DNA ou RNA do vírus inativo, sem perigo de contaminação, deixando seu corpo desenvolver uma imunidade a ele.

Mas então agora vamos saber quais são dessas vacinas estão liderando essa corrida, e em qual pé que anda a produção delas. 

Coronavac

CoronaVac
Vacina contra o coronavírus “CoronaVac”.

A Coronavac está sendo produzida pela chinesa Sinovac juntamente com o Instituto Butantan de São Paulo. A vacina está finalizando os testes da fase 3 mas apresentou uma taxa de resposta imunológica de 97%, levando em conta as fases 1 e 2.

No início do mês a vacina teve sua produção paralisada pela Anvisa por conta de uma ocorrência com uma das pessoas testadas. Mas logo a produção foi retomada após a certificação que o ocorrido não teve relação com a vacina.

Saiba Mais: CoronaVac tem seus testes cancelados e pode perder de vez para vacina americana

Essa semana saiu um relatório da Lancet Infectious Diseases comentando dados comprovando a segurança da vacina, onde cita a informação da vacina ter a capacidade de produzir resposta imune no organismo 28 dias após sua aplicação em 97% dos casos. 

Mesmo sem a fase 3 de testes, que comprova a eficácia da vacina em escalas ainda maiores, ontem dia 19 de novembro chegaram os primeiros 120 mil exemplares da vacina em São Paulo.

O governador de São Paulo, João Dória, diz que a fase 3 está nas suas últimas semanas e afirma que já enviou os resultados de testes em humanos para a Anvisa. 

Dória ainda disse que se tudo der certo as vacinações para profissionais da saúde começarão dia 15 de dezembro.

Se espera que 120 milhões de unidades da Coronavac sejam produzidas pelo Instituto Butantan.

Pfizer

Vacina da Pfizer contra coronavírus
Vacina da Pfizer contra o coronavírus.

A vacina da farmacêutica americana Pfizer com parceria com a BioNTech é a única das vacinas contra o coronavírus que já finalizou a fase 3 de testes. Isso quer dizer que ela já tem sua eficácia comprovada.

Saiba Mais: Vacina da Pfizer supera vacina chinesa em efetividade

A vacina obteve 90% de eficácia e esse resultado foi baseado nos seguintes dados:

  • 170 casos de COVID-19 confirmados em 43 mil voluntários testados;
  • Dos infectados, 162 tinham tomado a placebo, que nada mais é que um “remédio falso”;
  • Apenas 10 dos infectados sofreram com contágio grave, dentre eles apenas 1 tinha tomado a vacina verdadeira.

Em relação ao grupo de riscos, em idosos com mais 65 anos a taxa de proteção foi de 94%. De acordo com a empresa, não foi notado efeitos colaterais importantes, e só o que falta é chamada “revisão de pares“, que é um validação por outros cientistas.

As empresas também disseram que pretendem pedir autorização para FDA (órgão dos EUA similar à Anvisa) e outros órgãos regulamentadores dos outros países para uso emergencial da vacina.

Mais de 50 milhões de doses serão produzidas pela Pfizer até o final do ano, e 1.3 bilhões são esperados para o ano que vem. O governo brasileiro disse que a compra da vacina está em negociação e será efetuada após a revisão de pares e da liberação da Anvisa para o uso.

Oxford

Vacina contra coronavírus

A vacina da Oxford também está na terceira e última fase de testes. Está sendo produzida juntamente com a Fundação Oswaldo Cruz, e é a mais eficaz em idosos em relação às outras vacinas contra o coronavírus.

Essa semana cientistas da Universidade de Oxford disseram que esperam relatar os resultados dos testes de sua vacina contra a COVID-19, no estágio final, até o Natal.

O Dr. Andrew Pollard, especialista em infecção pediátrica e imunidade em Oxford, disse que a pesquisa foi retardada por baixas taxas de infecção durante o verão europeu, mas os testes de fase 3 agora estão acumulando os dados necessários para relatar os resultados.

“Acho que estamos chegando perto, e com certeza vai ser antes do Natal com base no progresso”, disse Pollard em entrevista à BBC.

Também foi descoberto nos testes do estágio final que a vacina tem uma ótima resposta imunológica em pessoas com mais de 70 anos. Isso é importante porque as vacinas geralmente não funcionam tão bem em pessoas mais velhas, afirmou Pollard.

As descobertas foram baseadas no chamado ensaio de fase II de 560 pessoas, incluindo 240 com mais de 70 anos. Os resultados do estudo revisado por pares foram publicados na quinta-feira no Lancet.

Os ensaios de vacinas de fase II fornecem dados preliminares importantes, mas não provam se, em última análise, evitam que as pessoas adoeçam. A Oxford e a Fundação Oswaldo Cruz estão aguardando os resultados dos testes de fase III em milhares de pessoas em todo o mundo para mostrar se sua vacina é segura e eficaz.

“O motivo de estarmos tão satisfeitos é que estamos vendo as respostas imunológicas parecerem exatamente iguais, mesmo em pessoas com mais de 70 anos de idade”, disse Pollard.

Pollard disse que não há competição entre as várias equipes de pesquisa, porque várias vacinas serão necessárias para reduzir a pandemia global a um estado sob controle, e permitir que as coisas voltem ao normal.

Mas ainda é só o começo para essas vacinas

Apesar do progresso recente, Pollard disse que o mundo ainda está nos estágios iniciais do esforço para proteger as pessoas contra COVID-19.

Mesmo depois que as vacinas contra o coronavírus forem aprovadas pelos reguladores, os fabricantes de medicamentos e funcionários da saúde pública ainda enfrentarão a tarefa de produzir bilhões de doses e administrá-las a pessoas em todo o mundo, disse ele.

Quando começa a vacinação no Brasil?

A data de inicio da vacinação ainda não é certa, pois como citamos antes, além de esperar a finalização dos testes, tem todo o processo de regulamentação associado à produção.

A Anvisa já autorizou o desenvolvimento dessas vacinas contra o coronavírus citadas acima e também da vacina da Johnson & Johnson. Agora elas precisam encerrar as fases de testes e depois conseguir o registro, que chega a demorar 60 dias para ser efetuado

Pesquisadores e especialistas vem falando que até o fim do ano todos os testes já estão finalizados, e então provavelmente no meio de Janeiro a vacina já esteja disponível para a população.

O que nos resta então é esperar e se cuidar por mais dois meses!

Conta pra gente se você está esperançoso em passar a Páscoa do ano que vem já vacinado, e se já escolheu qual delas irá tomar na nossa Página do Facebook!

Total
1
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts
Total
1
Share